O mal da felicidade – Pascal Bruckner


FONTE: r7 tv

http://fronteiras.com/canalfronteiras/entrevistas/?16%2C200

Entrevista Pascal Bruckner: o mal da felicidade

“Sempre detestamos o sofrimento, é normal. A novidade é que agora as pessoas não têm mais o direito de sofrer. Então, sofre-se em dobro. Querer que as pessoas se calem sobre a dor física ou psicológica é apenas agravar o mal.” – Pascal Bruckner

Créditos: BALTEL/SIPA

O romancista e ensaísta francês Pascal Brucknerpublicou 15 livros, ganhou dois importantes prêmios literários europeus, teve uma obra, Lua de fel, adaptada para o cinema por Roman Polanski e, doutor em letras, deu aulas em Nova York e em San Diego, na Califórnia.

Conferencista do Fronteiras do Pensamento 2014(Porto Alegre, 22/10; São Paulo, 20/10), é um dos principais pensadores entre os chamados “Novos filósofos”, grupo de filósofos franceses que inclui Bernard-Henri Lévy e Alain Finkielkraut, que romperam com o pensamento marxista no início dos anos 1970, e se definem pela oposição a totalitarismos.

A obra mais recente de Bruckner, The fanaticism of the apocalypse: save the earth, punish human beings(2013), e de suas conferências pelo mundo, aponta uma imposição moral sobre o indivíduo contemporâneo: o ser humano é responsável por salvar o planeta por ser culpado pela situação. Para Bruckner, esta ortodoxia ocidental eleva a legítima preocupação com o meio ambiente, mas com base no cultivo do medo, como visto nos filmes apocalípticos sobre a destruição do planeta. Segundo o ensaísta, isso é fruto de duas linhas de pensamento: o catolicismo, que prega que devemos abdicar das graças do presente pela salvação eterna, e o marxismo, que prega que os indivíduos reneguem suas necessidades pessoais em nome do futuro coletivo.

Para o escritor francês, a resposta não é pregar o apocalipse e o medo, tampouco nada fazer, mas sim desenvolver uma ecologia democrática que consiga enxergar e solucionar os problemas de forma prática.

Seu livro anterior, A euforia perpétua (Ed. Bertrand Brasil) também defende outra visão de ser humano e denuncia a fragilidade e a crueldade de uma sociedade que transformou a felicidade em ideal coletivo e obrigatório. ‘No mundo ocidental, quem não é feliz se sente excluído e fracassado’, afirma o escritor. ‘A felicidade é extremamente individual e efêmera por definição. Por isso, as pessoas obcecadas em conquistá-la, como a uma propriedade, sofrem em dobro e se distanciam das pequenas alegrias da vida.’ Sobre o tema da crença na felicidade incessante, Bruckner concedeu entrevista à revista Época:

Época: Como a felicidade se tornou uma tirania?
Pascal Bruckner: No século XVIII, felicidade já deixara de ser um direito para se tornar um dever. Mas essa inversão de valores só se consolidou no século XX, depois de 1968, quando se fez uma revolução em nome do prazer, da alegria, da voluptuosidade. A partir do momento em que o prazer se torna o principal valor de uma sociedade, quem não o atinge vira um indivíduo fora-da-lei.

Época: Se é natural ao ser humano buscar a felicidade, onde está o erro?
Pascal Bruckner:
O erro é esquecer que ninguém pode dizer o que o outro deve procurar, muito menos coletivamente. É perigoso achar que a existência só tem validade se a pessoa encontrar a felicidade. Essa é apenas uma das possibilidades na vida. Há várias outras, como a paixão e a liberdade. Recuso a noção de felicidade como objetivo maior da humanidade.

“A busca da felicidade está fadada ao fracasso.”

Época: O problema não é o que se considera felicidade hoje?
Pascal Bruckner:
O problema é a procura. Todos os que buscam a felicidade ficam mais infelizes, porque não se trata de uma caça ao tesouro ou à pedra filosofal. A busca da felicidade está fadada ao fracasso. É como procurar o príncipe encantado. Acabamos por nos privar dos pequenos prazeres e das pequenas alegrias, e ficamos com uma insatisfação permanente.

Época: A felicidade transformada em objetivo coletivo é uma questão política?
Pascal Bruckner:
Muitos países querem se colocar como paraísos terrestres. Enquanto isso, um monte de gente morre de fome. Todos os Estados fascistas ou comunistas queriam padronizar a felicidade do povo. Isso é perigoso. Nenhum governo, patrão ou chefe de Estado tem o direito de nos dizer onde está nossa felicidade.

Época: Confunde-se felicidade e bem-estar?
Pascal Bruckner:
Dinheiro compra bem-estar, conforto, mas nada compra a felicidade. Nos países em que o Estado falha em suprir as necessidades básicas do cidadão, é compreensível que a felicidade seja vista como a ausência da tristeza. Mas ela não deve ser reduzida a uma definição pela negação. Nos países ricos, em que as pessoas dispõem de certa renda, têm casa e comem normalmente, a felicidade não é compulsória. Prova disso é que na França se consome uma enorme quantidade de antidepressivos.

Época: Sofrimento virou doença?
Pascal Bruckner:
Sempre detestamos o sofrimento, é normal. A novidade é que agora as pessoas não têm mais o direito de sofrer. Então, sofre-se em dobro. Querer que as pessoas se calem sobre a dor física ou psicológica é apenas agravar o mal.

Época: Felicidade virou símbolo de status?
Pascal Bruckner:
Mais que o dinheiro, ela é a nova ostentação dos ricos. Eles estão na mídia e exibem seus carros de luxo, sua vida amorosa extraordinária, seu sucesso social, financeiro ou mesmo moral, quando colaboram com instituições beneficentes. A felicidade virou parte da comédia social.

Época: Isso aumenta a crença de que ela pode ser conquistada?
Pascal Bruckner:
Há pessoas que correm a vida inteira atrás dela, e então a felicidade vira uma inquietação permanente. Ou seja, o sujeito já entrou no território da angústia. A felicidade vira uma prisão.

“Na verdade, nos tornamos todos crentes laicos: tentamos cumprir
na Terra o ideal que o cristianismo nos propõe para o céu.”

Época: E o papel da religião em tudo isso?
Pascal Bruckner:
O cristianismo coloca a felicidade como o paraíso perdido ou por vir. É a noção da felicidade perfeita, ao pé de Deus. Praticamente todas as religiões falam do sofrimento e nos prometem a felicidade depois desta vida. No catolicismo, o sofrimento é tamanho que o Deus sangra e agoniza. Por outro lado, há cada vez mais religiões que se ocupam da felicidade na Terra, como evangélicos, budistas e hinduístas, por exemplo. Na verdade, nos tornamos todos crentes laicos: tentamos cumprir na Terra o ideal que o cristianismo nos propõe para o céu. Queremos fazer nossa felicidade como os penitentes de outros tempos se flagelavam. Nós nos penitenciamos nas academias de ginástica, no esforço permanente para emagrecer, nos regimes, na obrigação de ter orgasmo.

Época: Então nossa busca de felicidade não nos aproxima do hedonismo nem traz uma ruptura com certos valores religiosos?
Pascal Bruckner:
Curiosamente, todas as revoluções feitas nesse sentido, inclusive a Francesa, desembocam em um ideal ainda muito impregnado de religião. Nosso hedonismo acaba nos mortificando. Agredimos nosso corpo para torná-lo perfeito, musculoso, imortal. As salas de ginástica cada vez mais se parecem com salas de tortura. Carregamos a Inquisição conosco, e ela é o espelho. Continuamos no universo da mutilação, que é medieval.

Época: Isso ocorre também no Oriente?
Pascal Bruckner:
Para os povos orientais, existe a noção de reencarnação. Por um lado, pode-se esperar que a próxima vida seja melhor. Por outro, é preciso viver de forma a evitar as reencarnações e, assim, poder ir ao encontro da alma imortal de Brahma ou Buda. No Ocidente moderno, a vida se tornou uma sequência de gozos. E nossa busca frenética por essa verdade parece a saga de Dom Quixote. É patética.

Época: No século XIX, havia o ‘mal do século’. Era lindo sofrer. Estamos vivendo isso às avessas?
Pascal Bruckner:
O ‘mal do século’ era uma estratégia do individualismo. O burguês era contente e satisfeito, ao passo que o artista exibia sua tristeza para se distinguir da massa. Até a doença se tornou uma forma de singularização. Hoje, a estratégia é a mesma: se distinguir, escapar da miséria comum.

Época: Por isso muita gente adota a atitude de ver alegria e perfeição em cada refeição, cada objeto, cada momento?
Pascal Bruckner:
É a estratégia dos estoicos, de fazer tudo como se fosse a última vez. É uma revalorização da vida cotidiana. É interessante, mas pode ser um mecanismo de autopersuasão, de se convencer da felicidade da própria existência, de evitar ser pego no ‘erro’. Essas são pessoas que decidiram imperativamente ser felizes. Isso é muito suspeito, porque todo ser humano tem momentos de tristeza. Tentar esconder isso é se enganar.

Época: Os livros de autoajuda reforçam que só não é feliz quem não quer?
Pascal Bruckner:
Esse tipo de literatura sempre existiu. São livros contra as pequenas misérias do cotidiano: como se livrar de uma febre, remover uma mancha. Hoje, no entanto, os temas são mais amplos: promete-se a felicidade. Deepak Chopra, guru das estrelas de Hollywood, faz vários livros sobre o mesmo tema: como ganhar dinheiro, como fazer sucesso. Há sempre um ou dois conselhos que funcionam, mas esse tipo de receita vive muito próximo do charlatanismo.

“Ninguém é feliz ou infeliz o tempo todo.
A vida não se divide entre essas duas polaridades.”

Época: As pessoas felizes são menos interessantes?
Pascal Bruckner:
Ninguém é feliz ou infeliz o tempo todo. A vida não se divide entre essas duas polaridades. Muito mais importante que a felicidade é a liberdade, a capacidade de enfrentar problemas. A felicidade é um valor secundário, e é bom enfatizar isso para que não se sintam culpadas as pessoas que não chegam a ser felizes.

Época: O que seria a felicidade real, não-idealizada?
Pascal Bruckner:
Um sentimento sem objeto preestabelecido, algo que muda de acordo com a pessoa, com a época e com a idade. Nós a encontramos em alguns momentos, mas ela é fugidia por natureza, não vem quando a chamamos e às vezes chega quando menos esperamos. Há dois erros básicos na forma como a encaramos atualmente. Um é não reconhecê-la quando acontece ou considerá-la muito banal ou medíocre para acolhê-la. O segundo erro é o desejo de retê-la, como a uma propriedade. Jacques Prévert tem uma frase linda sobre isso: ‘Reconheço a felicidade pelo barulho que ela faz ao partir’. A ilusão contemporânea é a da dominação da felicidade. Um triste erro.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s