Relações da sociologia com a geografia


FONTE: CONFINS REVUE FRANCO-BRÉSILIENNE DE GEOGRAPHIE

http://confins.revues.org/6302?lang=pt

Relações da sociologia com a geografia

Notas da redacção

Nota do Tradutor: esta palestra fez parte das Conferências da École des Hautes Études Sociales e foi publicada na Revue Internationale de Sociologie, 12ème année, n. 5, mai 1904. Sobre tais conferências, Vidal faz, em nota, menção aos três últimos números da revista acima citada.

Texto integral

Paul Vidal de la Blache
  • 1
  • 2 Notadamente, ver: Les conditions géographiques des faits sociaux. (Annales de Géographie, t. XI, (…)

1

Há um campo comum onde as ciências sociológicas se encontram com a geografia já que, no estudo que faz da terra, esta não saberia se desinteressar do homem. Nas lições proferidas nesta Escola, muitas vezes nos dedicamos a manifestar o que há de geográfico em certos fatos sociais 2. Inúmeros são os exemplos que nos mostram causas geográficas agindo através de outras causas, e pode-se mesmo dizer que, em nossas sociedades avançadas, é raro que os fenômenos se apresentem de outro modo senão em estado de combinação e repercussão recíprocos. Assim, se convém estudar os fatos em sua complexidade real, é necessário não esquecer porém que, a despeito de seus frequentes e inevitáveis encontros, as ciências sociológicas e as ciências geográficas são de ordem diferente. Para elas, seria lastimável ignorarem-se mutuamente; contudo, devem guardar consciência de sua autonomia e levar em conta tanto as diferenças que as separam quanto as afinidades que as unem. Esse é o preço pela reciprocidade de seus serviços.

2

Como geógrafo, tentarei mostrar por qual via a geografia, sem renunciar a seu método, foi conduzida a encontrar algumas das questões que preocupam as ciências sociológicas.

3I.

O ponto de partida da geografia humana é o mesmo que o da geografia dos animais e das plantas: trata-se de estabelecer qual é a repartição que a espécie humana ocupa no globo – em grupos numericamente muito desiguais e apresentando muitas variedades entre si. Essa repartição revela relações, pois a Terra é um conjunto cujas partes se mantém relacionadas pelos fatos gerais de estrutura, configuração e clima que presidem a distribuição da vida. Como os outros seres vivos, os homens irradiaram de um ou mais focos. Para se estenderem sobre a Terra, eles seguiram rotas que buscamos reencontrar com a ajuda de indícios etnográficos. Porém, a ocupação humana da Terra ainda é muito desigual, caracterizando-se por uma evolução que prossegue. Mesmo atualmente, ela está longe de corresponder às condições mais ou menos favoráveis de solo e clima nas quais seria permitido esperar a priori; tal ocupação parece ser, sobretudo, o resultado da posição das diferentes regiões em relação às vias seguidas pelas correntes humanas.

4

É nesse sentido que a idéia de posição é fundamental para a geografia humana. Uma vez que a França esteja situada entre o Mediterrâneo e o Mar do Norte, isso implica o encontro de uma gama de relações sobre seu território onde, em períodos distintos, tais mares foram os veículos. Uma vez que ela ocupa a extremidade do tronco continental do Velho Mundo, tal fato teve consequências sobre sua composição étnica. Ele explica a complexidade; é da sua natureza iluminar de algum modo a origem dos hábitos que nela foram implantados e transmitidos.

  • 3  Na Rússia imperial, camponês de baixo nível social, comparável aos servos (N.T.)
  • 4  Povo de tradição nômade descendente de tribos indo-européias, cujas tendas são feitas colocando fe (…)

5II.

Abordamos assim o estudo das diversidades regionais. Enormes diferenças nos surpreendem: não somente na densidade da população, mas também no modo de apropriação das regiões às necessidades da existência humana. Aqui, prevaleceu a vida agrícola; lá, a vida pastoral; alhures, uma vida da caça e da pesca. Causas geográficas se apresentam para explicar essas diferenças: é assim nas regiões onde o solo é fácil de ser trabalhado e, principalmente, naquelas onde os elementos fertilizantes são seguidamente renovados pelos rios, assentam-se as sociedades agrícolas e sedentárias; é nas regiões onde, seguindo as estações, a seca devora sucessivamente os pastos, que a tenda dos pastores desloca-se periodicamente; em suas migrações regulares, as tribos dos Extremo-Norte seguem as migrações dos animais que lhes servem de caça. Portanto, estamos autorizados a considerar estas formas de existência como fatos geográficos, bem como determinar suas áreas de extensão e definir seus limites. Entretanto, podemos constatar também que em mais de um caso essas formas de existência se penetram, se entrecruzam na mesma zona; é assim em quase toda a extensão da região subtropical do Velho Continente. Além do mais, em certas épocas produz-se transformações radicais no modo de exploração de imensas zonas. Em nossos dias, é o que ocorre na América, na Sibéria e alhures: estepes são transformadas em cultivos, o arado do moujik3 substitui a tenda do kirghize4. Numa escala menor, sem sair da França, mudanças do mesmo gênero podem ser notadas. Atualmente, não vemos em muitos paysfranceses o gado, com todas as modificações de gênero de vida que ele acarreta, substituir às culturas de cereais?

6

Portanto, é mister admitir que não é sob a forma de um contrato rigoroso e irrevogável que as relações entre o homem e o solo são tecidas. As condições geográficas são bastante maleáveis, deixando um jogo muito amplo à iniciativa, às preferências e às escolhas do homem. A natureza não nos oferece o espetáculo de imperiosas intimações às quais o homem não responderia senão por uma dócil obediência – pelo contrário. Estudada bem de perto, a natureza nos mostra, no equilíbrio instável onde acontece a concorrência dos seres vivos, na vitória sempre pendente entre a floresta e a pradaria, nas possibilidades oferecidas pela irrigação e nas nuances climáticas uma gama de aberturas favoráveis pelas quais o homem pode fazer sentir e prevalecer sua ação. Seguramente, isso não é nem absoluto e nem universal. Seria um evidente exagero aplicar essa idéia a todas as partes da superfície terrestre; em algumas delas, condições rigorosas de clima fazem-nas refratárias a toda transformação humana. Porém, as superfícies sobre as quais tal transformação hoje opera são assaz consideráveis para que possamos reconhecer o que, a partir da diferença de densidade da população que a ocupe, uma mesma região pode se tornar.

7

Assim, uma região marcada pelo selo de uma civilização torna-se o que se pode chamar de humanizada. Intenções e combinações se manifestam na escolha dos sítios de estabelecimento, na direção das rotas e na própria composição do mundo vegetal e animal que o homem agrupou em torno de si a título de meios de nutrição e meios auxiliares. O homem se liga ao meio que ele adotou e fez seu na proporção do que ele próprio fixou.

8III.

Uma vida local tende assim a se enraizar, com toda a força que acrescentam aos hábitos os ritos, as crenças e as idéias que nela se introduzem. O estudo desse meio geográfico oferece uma dupla matéria de observações, tanto para a sociologia quanto para a geografia. Contudo, mais férteis ainda em ensinamentos são as modificações produzidas quando, por efeito de novas circunstâncias, uma sociedade habituada a viver recolhida em si mesma é posta em contato com povos, costumes e necessidades que ela não conhecia. Abre-se, então, um novo ciclo de civilização. Tal fenômeno é aquele que, por muitas causas inúteis de recordar, nossa época nos apresentou. Certamente, ele acrescentou um novo atrativo aos estudos comparativos e complexos das formações sociais e dos meios geográficos. Pôs em movimento causas que estavam latentes ou adormecidas.

9

Por esse contato, é possível ver como novos fermentos se introduzem em sociedades que pareciam fixadas em seus quadros; tentar mensurar as mudanças sociais e econômicas que resultam da nova demanda de mão-de-obra por todos os lugares onde recursos antes inutilizados são valorizados; apreciar os efeitos das ferrovias, das vias de transportes aperfeiçoadas e, em geral, da aplicação do maquinismo nas regiões até então estrangeiras ao instrumental da civilização moderna. Há, aqui, matéria para reflexões e observações inesgotáveis de filosofia social.

10

Para o geógrafo, esses fatos oferecem o interesse das mudanças na fisionomia terrestre. Suas consequências sociais e econômicas saem do domínio da geografia e, consequentemente, seria pouco sábio de sua parte engajar-se fora de suas próprias vias. Ele recairia assim num inconveniente contra o qual luta hoje e no qual tem grande dificuldade de se livrar. No entanto, esses fatos são geográficos conquanto eles modificam a composição da vida, o aspecto das superfícies, a quantidade e as relações dos grupos humanos. Seguindo o grau de intensidade na qual se exerce a ação humana, a hidrografia, a flora e a fauna submetem-se a transformações, às vezes, radicais. Tornado legião, o homem cessa de se acantonar em certas formas de existência, de estabelecer-se quase que exclusivamente em certos sítios e de restringir-se a um estreito círculo de relações. A partir do momento em que as planícies viram salubres e habitáveis, abrem um campo mais vasto à atividade humana – e o contrário não é menos verdadeiro. Os mares tornam-se ligações entre os povos e as mais econômicas vias de transporte. Sobre os meios de comunicação, a repartição das culturas e o agrupamento humano, a vida urbana exerce uma gama de influências, que se traduz em dados e em formas geográficas. Nesse sentido, as avaliações das extensões, das distâncias e das proporções são, para a geografia, o que a cronologia é para a história.

11

Assim, a geografia humana se reconhece como uma parte do estudo da Terra e deve, por isso, permanecer distinta das ciências sociológicas. Ela procede da terra ao homem e não pela via inversa. Tal via é, porém, aquela que praticamos voluntariamente, seguindo velhos hábitos do espírito. Tão logo um fato histórico ou econômico nos surpreendeu e vamos buscar, no arsenal de causas geográficas, algum meio de explicá-lo. Não é permitido pensar que tal método é viciado pela característica inevitavelmente tendenciosa de sua pesquisa? Não seria surpresa se, comumente, ele alcançasse apenas meias-verdades. Não escondo de mim mesmo que o emprego do método verdadeiramente geográfico, estando menos adaptado ao gênero de instrução que prevalece entre nós, exige um esforço de nos apartar do ponto de vista humano subjetivo e encontre alguma dificuldade para se familiarizar a nossos espíritos. É uma razão a insistir para que ele seja melhor conhecido e praticado com mais frequência. Com certeza, o estudo das sociedades humanas ganhará em clareza se situar-se no plano da perspectiva dos fatos físicos e biológicos, através e por meio dos quais opera a inteligência humana.

Notas

1

2 Notadamente, ver: Les conditions géographiques des faits sociaux. (Annales de Géographie, t. XI, 1902, pp.13-23). N.T. Nós apresentamos e traduzimos este artigo na revista Geographia, ano 9, n. 18, dez. 2007, p. 117-132.

3  Na Rússia imperial, camponês de baixo nível social, comparável aos servos (N.T.)

4  Povo de tradição nômade descendente de tribos indo-européias, cujas tendas sãofeitas colocando feltro de lã de ovelha sobre uma armação de madeira (N.T.).

Topo da página

Para citar este artigo

Referência eletrónica

Paul Vidal de la Blache, « Relações da sociologia com a geografia  », Confins[Online], 8 | 2010, posto online no dia 11 Março 2010, consultado o 06 Janeiro 2015. URL : http://confins.revues.org/6302 ; DOI : 10.4000/confins.6302

Topo da página

Direitos de autor

© Confins

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s